Oceana apresenta nova linha de fertilizantes biológicos em evento com produtores de grãos

Oceana. Oceana Minerals. Oceana BrasilA RISA, maior grupo de agronegócios da região do MATOPIBA, apresentou  nesta semana a sua nova linha de fertilizantes baseada na alga marinha Lithothamnium: Lithogen. Desenvolvida em parceria com a Oceana Brasil, empresa pioneira na pesquisa e desenvolvimento de produtos com a alga, essa nova tecnologia promete revolucionar a agricultura no país. O evento ocorreu na cidade de Balsas/MA, em uma fazenda do grupo RISA, e contou com a presença dos principais produtores de soja e milho da região.

A nova tecnologia foi desenvolvida com exclusividade para a RISA, levando em conta as características específicas do MATOPIBA. Por ser um produto de origem biológica com mais de 70 nutrientes (entre minerais e aminoácidos), seu uso aumenta a riqueza de nutrientes do solo, um dos grandes problemas na região. Os tratamentos convencionais são demorados e caros. Além disso, o uso de fertilizantes biológicos melhora a absorção dos nutrientes presentes no solo pela raiz. É essa biodisponibilidade que permite, além do aumento na produtividade, uma melhora significativa na qualidade das lavouras, com maior durabilidade da safra e grãos mais firmes.

Durante o evento, especialistas da Oceana Brasil apresentaram os testes em andamento na fazenda da RISA, onde os participantes puderam observar a diferença no crescimento das plantas, como o tamanho das folhas e raízes. Também demonstraram resultados em lavouras de diversas regiões do país. “O trabalho de campo, associado a intensos estudos científicos, vem permitindo cada vez mais o desenvolvimento de produtos biológicos de alto rendimento, que ajudam a aumentar a produtividade de agricultores de todas as regiões”, afirma Ricardo Macedo, gerente de pesquisa e desenvolvimento da Oceana Brasil. “Muito além do aumento na produtividade, os fertilizantes orgânicos, ,da alga marinha Lithothamnium, ainda melhoram a qualidade dos produtos, com um custo menor, atendendo às principais demandas dos produtores”, garante Macedo, que também é o principal pesquisador do uso da Alga Lithothamnium no Brasil.

Os resultados até agora com o uso do Lithothamnium são incríveis. A própria RISA conseguiu um aumento total de 1.098 sacas em uma área de 182 hectares, em sua lavoura no estado do MA. Já no estado do Paraná, agricultores da cidade de Palmeira  aumentaram sua média de 133 sc/alq para 151 sc/alq, com um retorno sobre o investimento de R$810,00 por alqueire. Já em Goiás, experimentos na cidade de Silvania demonstraram um aumento de produtividade de quase 7%, de 39 para 42,6 sacas por hectare.

Produtos baseados na alga marinha Lithothamnium podem ser certificados como  orgânicos, pois, além de 100% naturais, comprovadamente tem o  maior grau de pureza do mercado.  O  Lithothamnium extraído pela Oceana cresce em um ambiente ideal, com correntes marítimas e incidência solar únicas no mundo. A empresa trabalha e investe em pesquisas e tecnologia de ponta e no controle e monitoramento da vida biológica, para manter o equilíbrio ambiental da região da jazida e garantir a qualidade dos produtos.

Fonte: GlobalFert