Dinheiro Rural: Oceana distribui Lithonutri para nutrição animal

A Oceana Brasil, empresa dedicada a produção de tecnologia a base de algas marinhas, apresenta o Lithonutri – ingrediente para alimentação animal, composto 100% de algas marinhas calcárias e do gênero Lithothamnium. O produto é indicado para bovinos de leite, bovinos de corte, equinos, aves, caprinos e ovinos.

Trata-se de um produto natural e 100% biológico com fonte renovável. Combina quimicamente com outros produtos de efeito tamponante. “Desenvolvemos uma tecnologia para os fabricantes de ração, premix e sais minerais para otimizar os resultados de seus produtos. Além disso, para os produtores rurais é uma solução para aumentar os índices zootécnicos da produção com baixo custo e sem restrições de carência ou riscos de contaminantes”, explica Carlos Massambani, diretor técnico da Oceana Brasil.

Em ruminantes, o objetivo do produto é o equilíbrio do pH ruminal. Para os bovinos de leite as principais vantagens do produto são: tamponantes de alta eficiência, melhor digestão das fibras, aumento nos teores de sólidos totais do leite e maior dureza dos cascos. Já em bovinos de corte (principalmente em confinamento) e dietas de alto grão, as algas marinhas se mostram muito eficientes com controle da acidose ruminal, melhor digestão de fibras, garantindo assim maior ganho de peso.

Em aves de postura comercial e matrizes pesadas, as algas marinhas proporcionam aumento na produção de ovos, melhor espessura da casca, redução de ovos trincados e quebrados e melhor conversão alimentar. Enquanto que os equinos tem redução nas lesões de tendões e articulações, rápida reposição de cálcio em animais de lida e competição, prevenção de úlcera gástrica e recuperação de animais com fraturas.

As algas marinhas já são muito usadas na nutrição animal na Europa, Ásia, América do Norte há muitos anos. No Brasil a utilização é mais recente, apesar de possuirmos umas das melhores reservas do mundo. “Há várias publicações sobre a eficiência das algas. Além disso, os resultados no campo demonstram o incremento na produtividade dos produtores”, finaliza o diretor.

Fonte: Dinheiro Rural